martes, 9 de julio de 2013

Segredos do Sol

Diferentes técnicas fotográficas e ângulos mostram alguns dos "segredos" do Sol, o astro soberano do nosso sistema.
Em algumas das imagens, o Sol é visto com poucas mudanças em relação à sua observação mais comum, a olho nu.
Mas câmeras especiais que captam luz ultravioleta revelam detalhes que escapam aos olhos. Assim, é possível perceber detalhes, como manchas e variações de temperaturas que podem ultrapassar 1 milhão de graus Celsius.
Ângulos diferentes também mostram como o Sol é visto do espaço, inclusive com detalhes de como as massas solares afetam o campo magnético da Terra, produzindo, por exemplo, o fenômeno da aurora.

Apesar de seu aspecto por vezes monótono, o Sol é uma estrela dinâmica e de grande beleza. Uma análise dos diferentes comprimentos de onda da luz produzida pelo Sol revela processos e camadas bastante distintos.

A 'fotosfera' é a superfície visível do Sol, com a qual estamos mais acostumados. As temperaturas na fotosfera são de 6 mil graus Celsius. As manchas escuras são provocadas por atividades magnéticas intensas, que são 1,5 mil graus mais frias do que o resto da superfície. Grandes manchas são até seis vezes maiores do que o diâmetro da Terra.

Acima da superfície visível do Sol está a atmosfera, ou cromosfera, onde as temperaturas vão de 6 mil a 20 mil graus Celsius. Os átomos de hidrogênio produzem um comprimento de onda específico de luz vermelha. Ali, uma estrutura de filamentos é visível. Eles são jatos de gás frio suspensos da cromosfera por campos magnéticos poderosos.

A região de transição é uma camada fina entre a cromosfera e a atmosfera do Sol, onde as temperaturas variam muito - de 20 mil graus a 1 milhão de graus Celsius. Essa impressão foi capturada com luzes ultravioletas, que são invisíveis a olho nu.

A atmosfera do Sol é chamada de coroa (ou corona) solar. Esta imagem, usando luz ultravioleta, mostra as partes mais quentes da zona de transição e a coroa. As diferentes cores representam temperaturas distintas: o vermelho é relativamente frio (cerca de 60 mil graus), enquanto o azul e o cinza são temperaturas muito quentes (mais de 1 milhão de graus).

Forças magnéticas expelem 'matéria solar' além da coroa, em eventos conhecidos como 'ejeção de massa coronal'. Esta imagem aproximada mostra o fenômeno. As ejeções podem viajar a quase 1,4 mil quilômetros por segundo, alcançando o campo magnético da Terra em questão de dias.

Quando a matéria solar alcança o campo magnético da Terra, ela cria este efeito magnífico, chamado de aurora. A matéria solar interage com os gases da atmosfera, produzindo esta luz encantadora. A luz é mais visível próximo aos polos magnéticos da Terra, onde há maior concentração do campo magnético. A aurora australis (no polo Sul) retratada aqui foi fotografada pela Estação Espacial Internacional.

Esta imagem - com técnica fotográfica de time-lapse - foi produzida pela Estação Espacial Internacional, que viajava entre a Terra e o Sol. A Estação está muito mais perto da Terra, por isso temos a noção equivocada sobre o seu tamanho. A Estação tem o tamanho de um campo de futebol. Já o Sol possui diâmetro 100 vezes superior ao da Terra.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...