jueves, 26 de abril de 2012

Perspectiva surreal


Paisagens retorcidas com um toque de surrealismo são o tema do mais recente trabalho do fotógrafo americano Randy Scott Slavin.
Para criar a série "Outra Perspectiva" (Alternate Perspective), ele escolhe cuidadosamente a locação e tira até cem fotografias de uma cena cobrindo 360 graus, antes de costurá-las para formar uma projeção estereográfica (em que uma esfera é projetada em um plano).
"Quando comecei a fotografar paisagens, me senti compelido a usar a perspectiva. Depois de fazer muitas experiências com fotografia panorâmica, desenvolvi uma técnica que realiza meu desejo de transformar o real em surreal", disse Slavin.
Para fazer a série de imagens, ele viajou por diversas partes dos Estados Unidos. Segundo o fotógrafo, a paciência necessária para encontrar os ângulos perfeitos e a melhor luz para as fotos é um antídoto para o ritmo frenético de sua vida em Nova York.
"Fazer as fotografias é, na verdade, a parte do processo que menos toma tempo. A parte mais demorada é encontrar os lugares que vale a pena fotografar e chegar ao melhor local para fotografá-los."
Há ainda o trabalho de pós-produção, que pode levar de um dia inteiro a até duas semanas.
"Eu faço esse trabalho porque ele me inspira e me motiva. O esforço sempre vale no fim", diz.


Paisagens retorcidas com um toque de surrealismo são o tema do mais recente trabalho do fotógrafo americano Randy Scott Slavin. Acima, a imagem intitulada "Empire State". Foto: Randy Scott Slavin / Rex Features



Para criar a série "Outra Perspectiva" (Alternate Perspective), ele escolhe cuidadosamente a locação e tira até cem fotografias de uma cena cobrindo 360 graus, antes de costurá-las para formar uma projeção estereográfica. A foto acima foi tirada na Flórida. Foto: Randy Scott Slavin / Rex Features



"Quando comecei a fotografar paisagens, me senti compelido a usar a perspectiva. Depois de fazer muitas experiências com fotografia panorâmica, desenvolvi uma técnica que realiza meu desejo de transformar o real em surreal", disse Slavin. Foto: Randy Scott Slavin / Rex Features



"Em férias com minha noiva, fiz a imagem que chamei de 'Big Sur'. O norte da Califórnia é um lugar mágico, onde elementos épicos colidem. É difícil tirar uma foto ruim lá", diz Slavin. Foto: Randy Scott Slavin / Rex Features



Randy escolhe suas locações de diferentes maneiras: às vezes esbarrando numa foto perfeita, outras sabendo exatamente o que ele quer capturar e planejando com antecedência. Foto: Randy Scott Slavin / Rex Features



Nesta imagem, batizada de "Mão de Deus", uma praia parece ser segurada por uma enorme mão de rocha. Slavin viaja pelos Estados Unidos à procura de paisagens para seu trabalho. Foto: Randy Scott Slavin / Rex Features



Segundo o fotógrafo a paciência necessária para encontrar os ângulos perfeitos e a melhor luz para as fotos é um antídoto para o ritmo frenético de sua vida em Nova York. Foto: Randy Scott Slavin / Rex Features



"Fazer as fotografias é, na verdade, a parte do processo que menos toma tempo. A parte mais demorada é encontrar os lugares que vale a pena fotografar e chegar ao melhor local para fotografá-los." Foto: Randy Scott Slavin / Rex Features Picture: Randy Scott Slavin/Rex Features



O trabalho de pós-produção pode levar de um dia inteiro a até duas semanas. Aqui, palmeiras, na Flórida. Foto: Randy Scott Slavin / Rex Features



"Eu faço esse trabalho porque ele me inspira e me motiva. O esforço sempre vale no fim", diz Slavin. Foto: Randy Scott Slavin / Rex Features


Fonte: BBC Brasil
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...